Flexpag e Energisa disponibilizam condição especial de parcelamento para clientes com faturas em aberto por mais de 60 dias

Flexpag e Energisa disponibilizam condição especial de parcelamento para clientes com faturas em aberto por mais de 60 dias

Taxa de serviço para o parcelamento de contas de luz atrasadas foi reduzida de 2.19% para 1.89%.

 

Com foco na diminuição da inadimplência entre os consumidores das principais distribuidoras de energia do país, a Flexpag iniciou campanhas de incentivo ao pagamento de faturas em aberto por mais de 60 dias, por meio do parcelamento no Cartão de Crédito em até 24x e com a taxa de serviço reduzida.

A Energisa é uma das distribuidoras de energia pioneiras em disponibilizar a condição especial, com uma comunicação amplamente divulgada nos canais oficiais da Flexpag, abordando, inicialmente, os clientes do estado do Mato Grosso. Durante o mês de agosto, outros estados, entre eles Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Paraíba, também serão impactados pelas ações de comunicação, visando ampliar o conhecimento dos consumidores sobre a modalidade especial para regularização de débitos. Apesar do foco de comunicação ser, estrategicamente, nestes estados, a condição é válida para todos os clientes da Energisa em todo o território nacional.

De forma regionalizada e descontraída, as campanhas trazem em sua comunicação elementos típicos de cada um desses estados, evidenciando o tema central: “sair do vermelho com parcelas mais baratas”. 

A redução da taxa de serviço é uma vantagem a mais para os consumidores que possuem uma maior dificuldade no gerenciamento dos seus gastos e dívidas, uma vez que o parcelamento “mais em conta” também pode ser aplicado em faturas que venceram recentemente, desde que o pagamento final inclua ao menos alguma fatura em aberto por mais de dois meses. Outra vantagem é que, diferente do que é comum em parcelamentos via cartão de crédito, a condição especial liberada para campanha garante uma taxa fixa para todas as parcelas. Ou seja, parcelas mais baratas e que cabem no bolso daquele consumidor que quer voltar a ser adimplente em contas básicas como a de luz.